Make your own free website on Tripod.com

logass.jpg

Estatutos

Home
Bem vindos
Corpos sociais
Estatutos
Historia
Socios
Exposições
Anilhas
Noticias
Outros eventos
Artigos
Nosso contacto
Links

ASSOCIAÇÃO DE CANARICULTORES DE VILA DO CONDE

ESTATUTOS

CAPITULO I

Artº 1º- A Associação de Canaricultores de Vila do Conde, tem a sua Sede provisória na Rua 25 de Abril, 540, Canidelo, Vila do Conde e regular-se-á pelo presente estatuto.

Artº 2º- Tem por fim fomentar o gosto pelos canários, através do seu estudo e sua criação e deve orientar-se no sentido de:

1 - Acompanhar o progresso da ciência ornitológica e para ela contribuir na medida do possível.

2 - Promover o intercâmbio de conhecimentos entre os sócios e criando ambiente necessário para que se tornem compreensíveis e aprazíveis as funções a que se destina.

3 - Para os fins mencionados, deverá a Associação providenciar a sua filiação na Federação Ornitológica do Norte de Portugal, ou filiar-se noutra colectividade congénere, reconhecendo-se ser-lhe isso benéfico.

CLASSIFICAÇÃO E ADMISSÃO DE SÓCIOS

CAPITULO II

Artº 3º- Haverá três categorias de sócios: Honorários, Efectivos e Dirigentes.

1 - Honorários; É o título que a Assembleia-geral, mediante proposta da Direcção, pode conferir aos sócios ou entidades que à Associação ou em causa desta, tenham prestado serviços relevantes.

2 - Efectivos; São todos os indivíduos que, por proposta de um sócio efectivo ou dirigente, vejam aprovada a sua inscrição pela Direcção.

3 - Dirigentes; São os sócios efectivos que, por proposta firmada pela direcção, em posição maioritária, ou por um grupo de sócios efectivos, obtenham, em Assembleia-geral, maioria de votos favoráveis e só estes poderão integrar o elenco directivo.

CAPITULO III

Artº 4º- Os sócios têm direito a:

1 - Frequentar as diferentes instalações da Associação.

2 - Assistir a todos os eventos organizados pela Associação e à utilização de material da Associação com prévia autorização da Direcção, sendo sempre responsáveis pelos danos que pratiquem.

3 - Pedir a convocação da Assembleia-geral ao Presidente da mesma, por meio de requerimento assinado pelo menos de vinte e cinco por cento ou mais sócios no pleno gozo dos seus direitos, indicando o motivo da convocação.

4 - Elegerem e a serem eleitos.

§ UNICO - Os direitos referidos nos §s. 3 e 4 são exclusivos dos sócios com mais de um ano de sócio e maior de dezoito anos.

Artº 5º - Nenhum dos sócios poderá ser eleito com menos de dezoito anos.

Artº 6º - Todos os sócios são obrigados a:

1 - Observar rigorosamente as disposições dos Estatutos.

2 - Respeitar as deliberações da Assembleia-geral e da Direcção.

3 - Promover por todos os meios ao seu alcance a prosperidade e bom-nome Associação.

4 - Desempenhar com zelo o cargo para que for eleito ou nomeado.

Artº 7º - Todo o sócio pagará a sua quota, sendo a quota estipulada em Assembleia-geral.

Artº 8º - Exceptuam-se do pagamento de quotas os sócios honorários.

CAPITULO IV

Artº 9º - Está sujeito à pena de demissão imposta pela Direcção todo o sócio:

1 - Que esteja em dívida de mais de doze mensalidades.

2 - Cujo comportamento moral e civil, assim o justifiquem.

3 - Que não cumprir com o que determina o Estatuto.

4 - Que por qualquer forma promova o descrédito do Associação.

5 - Que se intitular representante da Associação sem que para isso tenha sido autorizado.

6 - Que tendo sido escolhido pela Direcção ou pelo seu Delegado para fazer parte individual ou colectivamente em qualquer prova ou evento, o deixe de fazer injustificadamente.

7 - A direcção, antes de dar cumprimento às disposições do artigo anterior, oficiará ao sócio nela incurso, para que este apresente a sua defesa no prazo de oito dias.

8 - É da competência da Direcção a readmissão de sócio cuja demissão não tenha sido feita pela Assembleia-geral.

ASSEMBLEIA GERAL

CAPITULO V

Artº 10º - A Assembleia-geral é constituída por sócios contribuintes maiores, no gozo dos seus direitos estatuários, e terá uma sessão ordinária em Fevereiro, para discussão e aprovação do Relatório e Contas da Direcção, parecer do Concelho Fiscal e eleição dos Corpos Gerentes.

Artº 11º - A mesa da Assembleia-geral constituir-se-á de um Presidente e dois Secretários.

§ UNICO - Se à hora em que deve ser aberta a sessão não tiverem comparecido algum(s) membro(s) eleito(s), será(ão) o(s) seu(s) lugares(s) preenchido(s) por sócio(s) escolhido(s) entre os presentes.

Artº 12º - A Assembleia-geral constituir-se-á com a maioria absoluta dos seus associados. Se meia hora depois não estiver reunido este número, realizar-se-á com os sócios que estiverem presentes.

Artº 13º - A Assembleia-geral reunir-se-á extraordinariamente:

1 - Quando o Presidente julgar necessário.

2 - Quando a Direcção ou o Concelho Fiscal assim o proponham.

3 - Quando vinte e cinco por cento ou mais sócios assim o requeiram, conforme o número 3 do artigo 4º.

Artº 14º - No caso da Assembleia-geral ser requerida nos termos do parágrafo 3º do artigo anterior, só poderá funcionar, achando-se presentes três quartas partes dos signatários, e depois de estes terem pago a importância com tal convocação, cujo importe será de dez vezes o valor da quota mensal.

Artº 15º - As convocações para as Assembleias-gerais serão feitas por afixação nos placares públicos e a respectiva publicação nos semanários locais, pelo menos com oito dias de antecedência, dirigidos aos sócios, indicando os fins, dia, hora e local de reunião.

Artº 16º - Compete ao Presidente da Assembleia-geral:

§ UNICO - Rubricar o livro das Actas da Assembleia-geral e da Direcção e os mais livros principais da Associação, investir nos respectivos cargos eleitos, convocar a Assembleia-geral e dirigir os trabalhos da mesma.

Artº 17º - Compete ao Primeiro Secretário:

§ ÚNICO - Redigir as Actas em termos claros, conforme as deliberações da Assembleia-geral e redigir e fazer expedir toda a correspondência que à mesma diga respeito.

Artº 18º - Compete ao Segundo Secretário, substituir o primeiro na sua ausência.

DIRECÇÃO

CAPITULO VI

Artº 19º - A Direcção da Associação, é eleita de dois em dois anos e composta de sete membros: Presidente, Vice-Presidente, Tesoureiro, Primeiro Secretário, Segundo Secretário e dois Vogais.

Artº 20º - A Direcção é solidariamente responsável pelos seus Actos e não poderá funcionar sem que esteja a maioria.

§ ÚNICO - Terá uma reunião ordinária por mês e reunirá extraordinariamente todas as vezes que o Presidente julgar conveniente ou qualquer membro da Direcção o requeira.

Artº 21º - Compete à Direcção:

1. A administração Geral e a economia da Associação.

2. Promover à medida que os meios financeiros o permitam, a completa realização dos fins em vista.

3. Cumprir e fazer cumprir os Estatutos (e Regulamentos Internos) aprovados e deliberados em Assembleia-geral.

4. Prestar contas ao Concelho Fiscal e facultar todos os esclarecimentos.

5. Elaborar anualmente o orçamento ordinário e até dois orçamentos suplementares das receitas e despesas da Associação, apresentando-os à Assembleia-geral com o parecer do Concelho Fiscal; o orçamento ordinário deverá ficar aprovado até trinta um de Dezembro do ano anterior.

6. Nomear as Comissões que julgue necessárias para qualquer fim útil.

7. Representar a Associação ou nomear quem o represente sempre que seja necessário.

8. Propor à Assembleia-geral a reforma dos Estatutos (ou Regulamento Internos) ou a suspensão de qualquer disposição regulamentar.

9. Atender às queixas dos sócios, quando elas sejam apresentadas convenientemente.

10. Propor à Assembleia-geral os sócios que devem ser elevados à classe de Honorários.

11. Providenciar temporariamente nos casos não previstos nestes Estatutos, lavrando Acta da respectiva resolução e dando dela conhecimento à primeira Assembleia-geral para que esta se pronuncie.

12. Organizar anualmente e submeter à aprovação superior o Relatório e Contas de gerência da Associação, até mês de Fevereiro do ano seguinte.

Artº 22º - Compete ao Presidente presidir às sessões e dirigir os trabalhos.

Artº 23º - Compete ao Secretário, expedir toda a correspondência da Associação, responsabilizando-se pelo arquivo, abrir toda a correspondência dirigida ao mesmo, redigir as Actas das Sessões, tratar os assuntos referentes à Secretaria da Associação.

Artº 24º - Compete ao Tesoureiro, ter sob sua guarda e responsabilidade toda a receita da Associação, assinando os recibos e outros documentos de suas atribuições e que lhe devem ser entregues pelo Secretário; ter escriturado com toda a clareza o livro-caixa, de modo a ver-se facilmente o saldo existente e indicar mensalmente nas reuniões da Direcção os sócios incurso no § 1º do Artº 9º.

Artº 25º - Sempre que o saldo da Associação exceda a importância de cem vezes o valor da cota mensal, o tesoureiro fará depositar o excedente numa Instituição Bancária.

Artº 26º - Todos os cheques em ordem de levantamento serão assinados pelos Presidente e Tesoureiro.

CONCELHO FISCAL

CAPITULO VII

Artº 27º - O concelho Fiscal será composto de três membros que entre si nomearão o relator.

Artº 28º - As suas atribuições são: examinar a contabilidade e dar o seu parecer à Assembleia-geral e auxiliar a Direcção sempre que esta o solicite; requerer a reunião da Assembleia-geral sempre que o julgue necessário.

ELEIÇÕES

CAPITULO VIII

Artº 29º - As eleições para os Corpos Gerentes, serão feitas por escrutínios secretos e maioria de votos.

§ UNICO - A posse será conferida pelo Presidente da Assembleia-geral depois da eleição ser aprovada superiormente em dia e hora que será por ele marcada.

DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO IX

Artº 30º - As dependências da Associação ou seus haveres, nunca poderão ser cedidos para assuntos estranhos aos seus fins.

Artº 31º - Haverá os regulamentos internos indispensáveis, cujas disposições completarão as destes Estatutos.

Artº 32º - A Associação só poderá dissolver-se se os seus sócios assim o entendam.

§ UNICO - Esta decisão só poderá ser tomada em Assembleia-geral, expressamente convocada para esse fim, com o voto favorável de três quartos de todos os sócios efectivos.

Artº 33 - No caso de dissolução, os troféus ganhos pela Associação só poderão ser vendidos no caso da Associação ter deficit.

Artº 34º - Não havendo deficit, serão os troféus entregues a sócios ou sócio que maior oferta faça, destinando-se o produto da sua venda a ser distribuído pelos pobres da localidade.

Artº 35º - As receitas da Associação serão formadas por quotas dos sócios e outras quaisquer extraordinárias.

Artº 36º - Os fundos da Associação serão constituídos por todos os troféus ganhos, pelos seus bens móveis e imóveis.

Artº 37º - A direcção deverá ter patente durante oito dias que precederem à Assembleia-geral para a sua discussão, os livros de contas para poderem ser examinados pelos seus associados.

Artº 38º - A prosperidade e o bom funcionamento da Associação dependerão do comportamento dos sócios, devendo todos, por isso, contribuir por todos os meios ao seu alcance para conseguir esta finalidade.

Artº 39º - O ano social coincide com o ano civil.